Todos os Posts Com a Tag ‘poemas

Publicar

Soneto de um domingo: Vinicius de Moraes

Deixe uma resposta

Em casa há muita paz por um domingo assim.
A mulher dorme, os filhos brincam, a chuva cai…
Esqueço de quem sou para sentir-me pai
E ouço na sala, num silêncio ermo e sem fim,

Um relógio bater, e outro dentro de mim…
Olho o jardim úmido e agreste: isso distrai
Vê-lo, feroz, florir mesmo onde o sol não vai
A despeito do vento e da terra que é ruim.

Na verdade é o infinito essa casa pequena
Que me amortalha o sonho e abriga a desventura
E a mão de uma mulher fez simples, pura e amena.

Deus que és pai como eu e a estimas, porventura:
Quando for minha vez, dá-me que eu vá sem pena
Levando apenas esse pouco que não dura.

Rio de Janeiro, 1944.

Anúncios
Publicar

Férias da Poesia : Rosa Berg

Deixe uma resposta

Poesia, hoje, estou de férias de você.

Não quero escutar seus versos perversos.

E não vou permitir que cochiche em meus ouvidos, o que devo ou não dizer.

Aprisionarei todas as palavras para não escaparem pelos meus dedos, quando eu tocar as teclas do computador.

Nem tão pouco vou permitir sua invasão na tela de meus pensamentos.

Hoje, poesia, quero distância de você.

Quero ter o direito de sentir saudade e me derreter em lágrimas compulsivamente.

Quero sentir o coração bater, sem ter que dividir com o mundo o porquê.

Quero poder olhar para dia com liberdade e nem me perguntar se vai chover.

Hoje, poesia, vou voar como passarinho.

Vou buscar meu ninho para me aconchegar.

Vou visitar todos os meus fantasmas, só para escutar o que têm para me falar.

Hoje, poesia, vou deixar você dormindo.

Mas não se preocupe, porque vou aquecer você.

Vou lhe trazer um chocolate quente e vou cobri-la com um cobertor.

Vou deixá-la na penumbra para que possa adormecer.

Mas amanhã, poesia, fique pronta e preparada para despertar com o raiar do dia.

Porque acordarei você, ao som de um barulhento despertador